Estudante baleada em assalto na UEPB relata pânico: ‘Ninguém imaginava que era tiro’

282

“Ninguém imaginava que era tiro”, relatou a estudante Natalícia Silva, de 21 anos – baleada durante o assalto a um carro-forte na Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), em Campina Grande. A aluna do 3º período do curso de pedagogia foi atingida com um tiro de raspão nas costas e, um dia após o crime, relembrou os momentos de pânico vividos por ela e os amigos da universidade.

“A gente tava tendo uma palestra no auditório com alguns professores e pediram pra que a gente descesse pro ‘hall’ da universidade porque iam dar procedimento a palestra lá embaixo, então a gente desceu e ficou sentado nas mesas. Daí a gente escutou um barulho, só que ninguém imaginava que era tiro, a gente pensou que era alguma encenação que fazia parte da palestra. Só depois, quando deu continuação aos tiros, a galera começou a correr e gritar: ‘é tiro, é tiro!’. Então gente correu pra tentar se esconder”, relata a estudante.

“Quando eu tava correndo eu senti algo me rasgando na região lombar, só que a gente continuou, tava todo mundo muito desesperado, a gente se deitou no chão, perto de uns armários pra tentar se esconder”, conta a estudante Natalícia Silva.

Na manhã desta segunda-feira (1º), quatro homens armados fingiram ser estudantes e anunciaram um assalto a um carro-forte que levava malotes de dinheiro para uma agência bancária localizada na Central de Aulas da UEPB.

Após ser baleada, Natalícia foi socorrida e levada para o Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande. A estudante recebeu alta ainda na tarde da segunda-feira (1º).

A jovem lembra do desespero dos colegas no local. “Na hora, quando eu entendi que eram tiros, eu pensei que era um massacre igual ao de Suzano (SP). Eu tava com minha amigas, mas na correria a gente se separou, cada uma correu pra um canto. Muitas meninas choravam, alguns tentavam acalmá-las”, recorda a estudante.

“Eu tava sentindo aquela dor só que a adrenalina do momento não deixou que eu achasse que fosse um tiro, depois quando tudo se acalmou mais, que eu falei que tava sentindo muita dor. As meninas olharam e falaram que tinha sido um tiro que eu tinha levado”, conta.

“As meninas me pediam pra ficar calma, que o tiro tinha sido de raspão, aí veio um funcionário do prédio e disse que os bandidos já tinham saído e que a polícia já tinha chegado, foi quando a gente se acalmou e eu vi que tinha sido um tiro de raspão mesmo”, lembra.

A estudante contou que os bombeiros e uma equipe médica chegaram ao local. “Estavam socorrendo os mais graves, então a gente desceu e uma menina de enfermagem fez um curativo em mim pra não ficar sangrando”.

Estudante levada para hospital

Uma professora da universidade levou Natalícia para o Hospital de Emergência e Trauma de Campina Grande. A madrinha da estudante, Luciete Barbosa, conta como recebeu a notícia de que a afilhada estava no hospital.

“Na mesma hora me ligaram e pediram pra que eu avisasse a mãe dela que ela tinha sido vítima de uma bala perdida, mas que tinha sido de raspão. Então minha filha foi avisar a mãe dela e graças a Deus não foi nada mais grave”, destaca.

Natalícia foi atendida e recebeu alta médica ainda na tarde desta segunda-feira (1º). Ela voltou para casa, na cidade de Queimadas, no Agreste. “Eu fui lá ontem quando ela chegou, ela tá deitadinha lá de repouso”, diz a madrinha Luciete Barbosa.

“O local onde a bala pegou está bastante inchado, mas estou fazendo os curativos como pediram os médicos. Espero melhorar em breve”, finaliza a estudante Natalícia Silva.

*Sob supervisão de Krys Carneiro

G 1 PB